quarta-feira, 29 de maio de 2013

Eu posso, eu consigo

Hoje eu vim compartilhar uma conquista minha com vocês. Pode não ser grande coisa pra quem vê, mas para mim é um passo dado na direção da maturidade.
Não sou uma pessoa de liderança e tenho medo de assumir responsabilidades - é sério, eu não gosto nem de confirmar presença em eventos, vai que eu acabo não indo - só que mesmo assim tive que assumir por 20 dias responsabilidades que estão acima da minha função no meu trabalho e hoje foi meu último dia por conta própria. Quando me dei conta de que teria que trabalhar no meu setor sozinha, morri de medo, achei que não daria conta, que iria pedir arrego em uma semana, mas não foi nada disso, na verdade me saí muito bem e mesmo tendo tido momentos tensos, hoje posso dizer que cumpri minha missão.
Estou dizendo isso porque eu tenho - e talvez você também - essa mania de achar que não sou capaz, que todos são melhores que eu, que se for pra eu fazer, não vai dar certo. Já perdi as contas das vezes que deixei oportunidades de lado  por isso. É bom estar errada de vez em quando, né. E desejo de verdade acreditar mais no meu potencial daqui pra frente, até porque pretendo começar uma nova fase em breve e não posso deixar meu medo dominar minha vida, é preciso arriscar.
Se tem uma teoria que posso provar é a de que tudo sempre parece pior, mais difícil antes de ser feito, a dificuldade está na nossa cabeça.
Meu lema de hoje é seja maior e melhor aos seus próprios olhos.



sexta-feira, 24 de maio de 2013

A novela da novela

Aproveitando a repercussão do final da novela das oito - que eu esqueci o nome de repente - e a estreia da nova, resolvi novelar aqui. Já é tradição brasileira ver novela. Tem gente que eu conheço que nem sai de casa antes dela acabar. E tem família que só se reúne na hora da novela. Pra quem gosta, ok. Só que eu não gosto.

Não vou ser hipócrita aqui e dizer que nunca assisti novela, gente, eu já assisti muita novela. Mas isso foi há muito tempo atrás, quando eu não trabalhava, não tinha internet, blog, mundo e dinheiro - falou a rica - pra curtir. O caso é que agora, além das conversas de ônibus e elevador sobre o capítulo de ontem, virou moda falar de novela em rede social, sei lá, acho chato. E pra quem não vê, fica mais chato ainda, certo? Hoje em dia meu interesse por uma novela não dura 5 minutos. Eu até disse que veria o primeiro capítulo dessa nova, Amor à Vida, mas na hora desisti, fiquei só vendo os comentários do povo pelo Twitter - com muita vontade de dar unfollow nesse povo. Não sei se eu mudei ou as novelas é que pioraram, ou talvez seja os dois, só sei que faz tempo que não me sinto tentada a assistir uma novela inteira - a última foi A Vida da Gente, que era linda e me fazia sair correndo do trabalho às seis pra pegar até mesmo a abertura.

Resolvi agora, vou fazer um retrospecto das novelas que mais gostei e vocês me digam se não eram melhores que essas de hoje em dia. 

O Diário de Daniela

Cúmplices de um Resgate

Chiquititas
Minha capa de CD preferida

Carrossel (a versão antiga)

Primeiro Amor a Mil por Hora

Todas as Marias da Thalia
Diva até com fuligem fake na cara

A Usurpadora


Deu pra ver que eu gostava de uma novela mexicana, daquelas ame ou odeie, hoje vejo a reprise, mas não tenho tanta paciência para as pausas dramáticas. Continuando...

Era uma Vez

Um Anjo Caiu do Céu
Xica da Silva
Coração de Estudante
Chocolate com Pimenta
Malhação (vi até a época do Cabeção)

O Beijo do Vampiro

Laços de Família
Pé na Jaca
Paraíso
Cheias de Charme

A Vida da Gente


Não coloquei foto de todas porque achei que ficaria chato. Reparem que eu botei mais ou menos em ordem cronológica, pelo menos tentei me lembrar assim. Nem todas eu assisti inteira, mas essas são as que eu gostei bastante por um motivo ou outro. Sim, eu assisto novela tal por causa de atriz/ator fulano ou por causa de uma música, estilo, tema, etc.
Conta pra mim, quais são suas preferidas? Alguma dessas ou outras?

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Intromissão não é extroversão

Se você não entendeu o título do post é porque ainda não conheceu a pessoa certa. Quem é essa pessoa? Vem que eu te conto.

O indivíduo a que eu me refiro é aquela criatura que é toda alegre, toda alto astral, ri de si mesmo e de suas situações mais embaraçosas, conta a própria vida pra Deus e o mundo sem vergonha nenhuma. Como se isso não bastasse para gerar momentos estranhos, ela age de uma forma que acaba fazendo você achar que é normal contar tudo nos miiiiiínimos detalhes e quando vai ver já está falando suas intimidades também e... epa, isso não diz respeito a mais ninguém além de mim. Assim, meio que escapa, sabe.
Essa pessoa se sente íntima de todo mundo e se você contar um detalhe, aí mesmo que ela vai se achar no direito de perguntar e deduzir tudo que der na telha. Coisa chata, viu.
O segredo pra fugir disso? Muito auto-controle pra não dar "confiança", se não já viu, né.

Vamos respeitar a privacidade alheia, por favor.

Alguém acerta o ditado?

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Por um mundo menos perdido

Ai, gente, abandonei o blog essa semana e não quero que isso aconteça. Como eu falei antes, estou voltando a correr e dessa vez é pra valer, mas isso acaba consumindo o pouco tempo que eu tenho para o blog, por que geralmente chego do trabalho bem depois das 18hs e vou direto correr, depois tem aquela rotina de dona de casa - cozinhar, lavar, arrumar - e quando vou ver já passou da meia noite e não consigo mais raciocinar direito.
Enfim, sexta-feira e estamos aqui, firmes e fortes no dia de descanso da corrida para falar sobre uma coisa que eu andei pensando. Vocês já viram aquele programa da Band, Polícia 24hs? Então, vez ou outra eu vejo enquanto estou jantando - pra você ver como andam as coisas por aqui, isso é hora de jantar? - e sem entrar no mérito do trabalho dos policiais, o que me impressiona nesse programa é a quantidade de gente fodida - com o perdão da palavra - que existe no mundo. Gente preconceituosa, agressiva, com valores invertidos, famílias despedaçadas, viciados, todo tipo de coisa que você deseja nunca ver nem passar por.
Se você reparar, a maioria dos chamados atendidos que eles mostram - eu sei que a polícia não trabalha o dia inteiro resolvendo casos de família - não tem nada a ver com polícia, tem mais a ver com psicólogo, advogado, médico, tem a ver com sentar e conversar e, por que não, com Deus. Me parece que as pessoas estão desorientadas, perdidas, sem saber pra onde ir, sem apoio. Um apoio que deveria estar primeiro dentro de casa e depois no Estado. Hoje em dia tudo se resolve na base do barraco, do escândalo, do B.O.  Ninguém quer ouvir a opinião dos outros e nem ser contrariado, não quer ceder.


Eu estou escrevendo sobre isso não porque não acredito mais no ser humano, pelo contrário, é porque eu acredito que digo que nós podemos melhorar o mundo em que vivemos agora mesmo, aqui mesmo onde estamos. Não precisamos de políticos, nem de dinheiro, apenas temos que mudar nosso jeito de encarar as coisas, de lidar com as pessoas, com a vida, falo isso pra mim mesma também, já que não tem nada pior do que se ver em outra pessoa e não gostar do que está vendo. Que tal sair na rua sorrindo ao invés de ficar de cara fechada logo cedo? Sabia que as pessoas são mais simpáticas com você só por causa disso? E você também acaba tratando melhor os outros, é um estado de espírito. Já dizia o profeta, gentileza gera gentileza. Já tentou deixar a outra pessoa falar sem interromper? Às vezes ela não quer conselho, só quer ser ouvida. Vamos parar de reclamar um pouco de tudo - viu, Mariana - e somente aproveitar o momento. Vamos?
Vamos tentar isso pra hoje, pra vida?


#maisamornomundo

sábado, 4 de maio de 2013

O Emprego Ideal

Amiga, não se engane achando que o trabalho dos sonhos é aquele que paga muito, acredite, isso não é nem 10% da verdade. Quando você procurar por um emprego escolha um em que:

Seu chefe não seja o mais simpático, mas sim o mais honesto.
Aquele que conversa à beça, quer saber da sua vida e conta a dele nem sempre vai ser o que vai saber valorizar seu trabalho e a própria empresa. Acredite você vai sofrer com ele.

Idem ao anterior, apenas substitua "seu chefe" por "seus colegas de trabalho".
Aquele colega que faz a linha fanfarrão, vida boa é divertido na hora de conversar, mas será que ele vai fazer o trabalho dele direito ou vai usar a simpatia para jogar tudo nas suas costas sem você nem perceber? Mesmo aquele que parece seu amigo pode estar te f... pelas costas  e em algum momento você vai acabar percebendo.

Suas tarefas sejam interessantes, mesmo que pareçam difíceis.
Não tem nada pior do que odiar o que se faz e ter que fazer todo dia. E digo mais, imagina aquele dia em que você só quer que as horas passem porque tem algo muito legal pra fazer depois, mas sua função é maçante. Imaginou?

Você saiba que tem chance de se desafiar, crescer e se orgulhar.
Procure pela informações da empresa, saiba se você se encaixa lá, se vai ter chances de crescimento, essas coisas todas que todo mundo já deveria saber. Não basta só ir ao trabalho todo dia, você tem que saber que está fazendo a diferença, para a empresa e principalmente pra você.

Você goste de trabalhar.
Nunca, eu repito, nunca espere a necessidade para procurar emprego porque as chances de você aceitar qualquer coisa são grandes - isso, é claro, se a necessidade não chegar antes de você procurar o tal emprego.

I love my job, I love my job, I love my job


Não percebeu? Isso foi só um desabafo.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Vivendo mais saudável

Eu não faço o tipo atlética e cheia de energia, pelo contrário, sofá e cama são meus amigos mais chegados. E além disso sou igual formiga, vivo atrás de doce, ao ponto de precisar comer um docinho qualquer que seja (menos bala, que eu não gosto) toda vez que como algo salgado. Só que de vez em quando bate umas neuroses com o rosto redondo, a barriga grande, falta de exercício e essas coisas, daí eu resolvo correr. A corrida é um exercício de custo consideravelmente baixo e é divertido - até certo ponto - então, por que não?
O meu problema é que eu tenho persistência zero, principalmente quando se trata de esforço físico. Nos primeiros dias eu vou bem e empolgada, mas aí tem sempre aquele dia em que fica tudo muito corrido e não dá tempo de se exercitar e no outro dia já vai dando uma preguiça... Quando vou ver já tem 3 semanas que não calço o tênis. Mas agora eu quero levar esse projeto em frente e é por isso que toquei no assunto. Acho que compartilhando com vocês meus resultados vai ficar mais fácil de seguir em frente - se vocês me ajudarem com um incentivozinho de vez em quando, claro - sem perder o entusiasmo. Já vou logo avisando que vocês verão um show de lamúrias e desculpas esfarrapadas.
Gente, isso não vai virar um blog de dieta e malhação, eu prometo, mas vou usar a tag treino toda vez que for falar disso, ok?

Meu maior erro sempre foi exagerar logo no início, querer conseguir resultados rápidos, queria correr sem parar durante 1 hora - olha as ideia - e o resultado era que em 5 minutos já estava morta e me sentindo uma fracassada, no dia seguinte cheia de dores e uma semana depois já tinha desistido. Mas com o tempo eu fui aprendendo e meu lema agora é "devagar e sempre". Também levo como mantra o que o Márcio Atalla sempre fala na CBN: 30 minutos todo dia, 30 minutos todo dia.
Segunda - o Dia Mundial de começar a dieta/exercício - foi minha volta triunfal à corrida, durante 30 minutos fiz tudo direitinho e me senti o máximo, o objetivo é chegar a fazer isso todo dia, inclusive aos domingos, viu, mas por enquanto, 3 vezes na semana pra acostumar. Hoje tem de novo, mais tarde, mas eu conto como foi num outro dia. Então, vamos correr?

E como fazer exercício sem música é um tédio, minha playlist já está salva no celular, escuta só:

Foster the People - Pumped Up Kicks


Copacabana Club - Just do it (tudo a ver com o momento)


Paramore - Careful


The Ting Tings - Shut Up and Let me Go


Sleigh Bells - Crown on the Ground
(essa mesma, da trilha sonora de The Bling Ring)