sábado, 10 de agosto de 2013

Águas passadas não movem moinhos

Vocês já perceberam como a gente se apega ao passado? Se foi bom, parece que nunca mais vamos ser felizes daquele jeito e se foi ruim, ficamos sempre com medo de arriscar e passar por tudo de novo.
É só dar uma olhada nesses casais que voltam a ficar juntos depois de anos separados porque ficaram com a sensação de que ficou algo no ar, pendente. Só que depois eles percebem que o que passou, passou e não vale a pena reviver o passado.
Tem também aqueles que se mantém juntos apenas porque um dia foi bom, sem perceber que o presente é uma droga. Tão triste ver alguém passar anos em uma relação que não dá mais nenhuma satisfação na esperança que um dia tudo seja bom de novo. 99% de chance de não ser e os dois perderem mais alguns anos por uma coisa perdida no passado.
Quando eu olho pra trás vejo muitas coisas que eu dava valor, daria minha vida por elas e hoje não me significam nada, até me causam estranheza. Relacionamentos, roupas, lugares, tem de tudo. Relembro o passado e muitas vezes me sinto triste por ter desperdiçado tanto tempo dando importância ao que não merecia, não dá pra ficar remoendo essas águas passadas e deixar de viver e buscar um presente mais feliz.
Isso me faz lembrar Harry Potter, quando fica obcecado pelo espelho de Ojesed, exceto que ele não vê o passado, mas um desejo. Mesmo assim, cabe o conselho de Dumbledore:
"Não vale a pena viver sonhando e se esquecer de viver."


3 comentários:

  1. essa última frase disse muito! sempre passo por isso, rs

    xx

    cabecanasnuvensz.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ai Mariana. Conheço uma pessoa muito próxima a mim que pensou que viveria uma história de amor voltando com um amor do passado, e hoje vive um pesadelo sem fim. Muito triste. Certas coisas, melhor ficarem no passado...

    Um beijo,
    Re.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o famoso e se...
      A gente se apega muito ao que podia ter sido, quando na realidade, cada escolha, uma renúncia.

      Excluir

Fale o que achou