quinta-feira, 29 de maio de 2014

Eventos bizarros do Facebook que eu iria

Todo mundo está odiando muito - ou não - essa onda de eventos fake que está rolando no facebook. Já vi gente considerando excluir pessoas que as convidassem pros tais eventos. hahahaha
Eu também achei tosquíssimo, porém não vou negar que fiquei com vontade de comparecer em alguns. O Nossos Romances Adolescentes fez uma lista dos eventos que gostaria que fossem de verdade e eu achei a ideia legal e resolvi fazer a minha também.

Férias em Acapulco

 Quem nunca quis ver aquele hotel lindo de perto e pular de cabeça pra baixo do trampolim? Com um pouco de sorte a gente encontra o Chapolin gravando um filme por lá. Mas eu deixo claro que só vou se o Seu Barriga pagar e se no final do dia todo mundo for pra praia cantar Boa Noite, Vizinhança.

O Retorno de Paola para a casa dos Bracho

 A Paulina é boazinha demais e o que a gente quer ver mesmo é a Paola voltar por cima e dar aquela risada que só ela sabe dar.



Reunião Extraordinária do Comitê Revolucionário Ultra Jovem

 Por favor, me leva agora pro CRUJ!!! Tenho certeza de que vale a pena juntar os membros de novo pra resolver as questões mais complicadas da vida adulta.

Protesto pelo atraso da carta de Hogwarts


 Eu sempre soube que tinha algo errado! Nós temos que ser compensados pelos anos de estudo e aventura que perdemos. Alguém tem que ser responsabilizado, eu ainda quero aprender a me transfigurar em gato.

Excursão para conhecer Tangamandápio

Mais um evento ligado ao Chaves, já deu pra ver que ninguém superou esses anos todos sem episódios inéditos. Tangamandápio deve ser a cidade mais parada do mundo, mas mesmo assim eu sempre morri de curiosidade de saber como é. O Jaiminho gostava tanto de lá, deve ser um lugar agradável.

Party na casa do Jesse

 Essa será a festa mais louca do mundo e não há garantias de sair vivo. Confesso que só iria mesmo pra ver se conseguia consolar o Jesse, o menino ficou um tempo meio fora de si, né. 
Atentem para a descrição do evento. Viram? Badger e Pete estarão lá também, não dá pra perder. E é claro que eu vou dizer que sou amigona do Heisenberg. Yeah, party bitch!

Grande subida de escadas do Santuário de Athena


 Eu sei, são muitos degraus, mas a parte boa é que pode ser que eu encontre uns Cavaleiros no meio do caminho, imagina que épico assistir uma batalha entre o Seiya e um Cavaleiro de Ouro. Aliás, vocês já viram essa lista de coisas que acontecem em todos os episódios de Cavaleiros do Zodíaco?
Ah! Antes de ir embora eu não posso deixar de dar uns tabefes na cara do Shun.

Evento para parar com essa porra de criar evento


E pra fechar tudo, vamos parar com essa palhaçada. Eu sei que é engraçado, mas tudo que é demais enjoa, viu gente. Cabô, tá bom, vamos pensar no cardápio de festa junina que já está chegando.

UPDATE!!!!

Não, volta tudo gente! Me mandaram um evento de extrema importância que eu super apoio que venha pra realidade:

Marcha pela volta do biscoito Fofy


Esse era apenas o melhor biscoito do mundo! Não tem pra Oreo, nem Bono nem nada. Esse é o provável responsável pela minha gordura infantil. Eu comia esses bichinhos até pra dar sorte em jogo da seleção na época em que a Copa não causava tanta polêmica. Mas só de chocolate, o outro era ruim.
Sério gente, depois que acabar essa onda de eventos fake, vamos fazer um de verdade reivindicando a volta do Fofy, please. Pode ser abaixo assinado também. Vou entrar em contato com o Avaaz.

Mediana, medíocre, chame como quiser


Não precisa ser idoso pra saber que nem sempre a vida é fácil, ao contrário, tem pessoas que infelizmente descobrem ainda muito cedo. Quando somos jovens, tipo bem jovens mesmo, crianças, tudo que a gente quer é se divertir. Quer acabar com a alegria de uma criança? Diga pra ela que é hora de parar de brincar e fazer o dever de casa.
Eu era assim também. Eu deixava o dever de casa pro dia de entregar, fazia os trabalhos em cima da hora, não estudava com antecedência, esquecia de tudo no momento que saía pela porta do colégio. Até pouco tempo atrás eu pensava que tinha sido uma aluna mediana porque sim, mas fica óbvio pelo que eu acabei de contar que não, que eu poderia ter sido bem melhor se tivesse me esforçado mais.
Infelizmente eu mantive esse hábito. Na faculdade, no trabalho, em tudo. Tenho hora marcada, mas sempre me arrumo correndo, conto com a sorte pra chegar na hora, faço tudo correndo contra o tempo. Logo depois tem a fase da barganha - se eu tivesse tomado banho 15 minutos antes, se o ônibus for um pouco mais rápido, se o relógio parar no tempo - e às vezes eu consigo, às vezes não, mas sempre com aquela afobação, a preocupação a mil. 
Eu estou tão cansada de ser assim e não, eu não acabei de perceber isso. É só que essas duas semanas foram a gota d'água, eu perdi aulas da autoescola e vou ter que pagar por elas porque me atrasei, acumulei matéria da faculdade de meio semestre e tive que passar mais de 10 horas seguidas estudando pra compensar. Mais uma vez, o quanto eu perdi por não ter cumprido a programação como deveria ser? Tenho certeza que eu teria aproveitado melhor minhas aulas se tivesse seguido o cronograma e que essa correria afetou minhas notas desde o primeiro semestre. A procrastinação ficou tão arraigada em mim que estou certa de já  ter perdido anos de conhecimento que talvez eu não consiga recuperar.
Sim, estudar pode ser muito chato se o assunto não for interessante, mas é necessário e eu sei disso. Só que essa sabedoria não me ajudou a manter o foco durante todo esse tempo e eu estou absolutamente decepcionada comigo.


É tão engraçado quando eu vejo um meme que fala dessa dispersão de atenção que a gente tem quando estuda, ou outro que fala que eu deveria estar estudando, mas... O que não é engraçado é perder um fim de semana com os amigos porque não estudei durante a semana, não é engraçado precisar de nota máxima pra não repetir uma matéria. Sim, eu tive dias gloriosos assistindo uns dez episódios de várias séries, mas será que compensa? Alguém vai me pagar pra fazer isso? Qual o limite? Não, eu estou fazendo isso errado.


O que me faz voltar ao começo do texto. A vida é difícil, mas quanto dessa dificuldade não foi imposta por mim mesma? Será que o trânsito me afetaria tanto se eu tivesse saído meia hora antes? Será que a matéria seria tão massante se eu não tivesse que estudar tudo de uma vez? Será que seria tão difícil voltar a trabalhar se eu tivesse investido meu tempo em aprender outras coisas?
Se alguém se identificou comigo, provavelmente também se odiou um pouquinho por ser assim.
Sinceramente eu não sei o que fazer para mudar, dizem que admitir o problema é um começo, não que tenha me adiantado muito. O que eu sei é que, do jeito que está, a realidade dura é que eu não vou realizar nada do que eu planejei pra mim, não vou conquistar nada que seja meu, nenhum sonho vai vingar. E cá pra nós, estou cansada de ser apenas mediana.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Novidade - Loja A Moça do Croché

Oie!

Estou meio sumida e tenho uma razão excelente pra isso. É a novidade que eu vim contar hoje.

Nos últimos dias tenho me dedicado a um novo projetinho: uma loja online de artigos feitos em croché. Ahá! Vocês nem sabiam que eu era prendada assim, né? Pois é, desde criança que eu faço meus trabalhinhos de croché e decidi tornar isso uma fonte de renda também. Croché é terapia e é muito legal quando termino uma peça, ela fica linda, eu olho pra ela e sei que fui eu que fiz.

A Moça do Croché está começando bem pequena e ainda tenho poucos produtos, vou acrescentar outros ainda hoje e ao longo dos próximos dias. A princípio, estarão disponíveis sapatinhos muito fofos para bebê e tenho planos de fazer para adultos também, além de outras peças para crianças. Então se você tem filhos, sobrinhos, netos, afilhados, filhos de amigos e quer dar um presente lindinho e feito com carinho, A Moça do Croché está aí esperando sua visita e, claro, seu pedido. hehe

Acesse docroche.tanlup.com e veja os produtos que já estão disponíveis.

E tem outra notícia legal: quem utilizar o código "ascoisas" vai ganhar 10% de desconto na compra até dia 21/5.
Que tal, gostaram das novidades?

Vejam alguns dos produtos da lojinha:

Corre e aproveita. A Moça do Croché está esperando vocês.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

The Last One - 10 anos sem Friends






Pisquei o olho e já passaram 10 anos desde o último episódio de Friends. Como pode gente? Onde foi parar esse tempo todo? Esses dias mesmo a gente estava relembrando os 10 anos de Meninas Malvadas e agora do final de Friends. Chocada e saudosa!


Infelizmente eu não vou escapar do clichê porque eu sou uma das trocentas pessoas que acha que Friends sempre será a melhor série de comédia da vida. E tem tantos motivos pra isso. Acho que vai sair uma lista daqui, ó:

Porque Friends é a melhor série de comédia de todos os tempos

You've got a friend in me - Quem nunca passou vergonha junto com um amigo? Uma série com esse nome tinha mesmo que ter cenas memoráveis como a Phoebe e a Rachel correndo no parque, um segredo que na verdade todo mundo já sabe - eles não sabem que nós sabemos que eles sabem - e muitas declarações de amor eterno para os... amigos. Em Friends a amizade é sincera, eles são amigos, mas sabem dos defeitos um do outro e aceitam de coração aberto. E tem um pouquinho de vergonha alheia também. E algumas brigas que acabam em muita choradeira e abraços porque tem amigos que não dá pra ficar de mal.


A série nunca apelou pra sexo pra chamar atenção - Sim, fala-se sobre sexo em talvez todos os episódios, mas nunca, nunca eu me senti ofendida com alguma fala de um personagem em relação a isso. Nem mesmo o Joey pegador conseguia ser um tosco, como o Charlie Harper de Two and a Half Man, por exemplo. O sexo era tratado como parte de um relacionamento, assim como na vida real e rendeu inclusive uma das cenas mais reveladoras do universo feminino protagonizada pela Monica.

Às vezes é preciso amadurecer o amor pra que dê certo - Rachel e Ross tiveram tantas idas e vidas que quase duvidei que eles ficariam juntos no final - hum... nãããã - e o Chandler e a Monica precisaram de muitos anos pra descobrir que se amavam. Eu acredito muito nisso: que o amor exige uma preparação pra dar certo, de vez em quando é preciso deixar o tempo cuidar das coisas e enquanto isso lá se vão casamentos com troca de nome, casamentos em Las Vegas, namoros que tinham tudo pra não dar certo e não dão certo mesmo, namoros que tinham tudo pra dar certo, mas não dão e muitas risadas das situações com que a gente acaba se identificando, com a devida licença poética.

Episódios que relembram coisas do passado - De vez em quando a gente fica curioso pra saber como os personagens chegaram ali e os episódios que falam do passado estão aí pra matar a nossa curiosidade. Eu particularmente amo os que a Monica aparece gorda, sério gente, parece outra pessoa, ela toda inocente. hahahahaha

How you doin'? - Em 10 temporadas Friends conseguiu deixar um número considerável de falas inesquecíveis, sem contar as músicas da Phoebe, né: We were on a break!, Unagi, Seven, seven!, They don't know that we know they know we know, My eyes, my eyes! e How you doin'? são as mais lembradas sempre, eu sempre rio.

Não dá pra jogar contra a Monica - A falta de esportividade da Monica sempre me faz rir até doer a barriga. Tem o episódio do totó, em que ela não deixa o Joey e o Chandler dormirem, o do jogo de baseball e o episódio em que eles viajam e jogam ping pong... aquele cabelo dela é impagável, eu amo a Monica. Além disso tem a mania de limpeza - nunca me esqueço dela dizendo que limparia o aspirador se tivesse um menor - e o talento pra cozinha. Sempre quis saber qual era o gosto do mocolate.


Esses são os motivos pelos quais eu gosto de Friends, acho que sempre funciona misturar um pouco de nonsense com sentimentalismo. Ainda bem.
Essa foi minha pequena contribuição para lembrar que a Rachel saiu do avião.

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Série - Game of Thrones ou porque não assistir

ATENÇÃO! ESSE TEXTO ESTÁ CHEIO DE SPOILER, NÃO LEIA SE AINDA NÃO CHEGOU NA QUARTA TEMPORADA. QUE QUE TEM? TÔ CHATEADA, VAI TER POST COM SPOILER.

E essa música sinistra, hein...

Primeiro de tudo, vou falar de Game of Thrones, mas não vou recomendar. Sério, se você tem amor a sua vida, a sua dignidade, não veja essa série. Ainda bem que ninguém me recomendou diretamente essa série, se não essa pessoa estaria sendo odiada agora. Apenas vou comentar os estágios de uma iniciante nesse mundo cruel que é Westeros.

Você vai amar Game of Thrones. No começo você vai amar. Provavelmente vai assistir a primeira temporada toda em um dia se tiver tempo, talvez você arrume tempo, talvez você não coma, nem durma, tudo pra ver mais um episódio, só mais um. Você vai simpatizar com os Stark, vai tentar lembrar o nome de cada um dos 500 personagens e ficar sem entender nada na primeira metade da temporada. Quando você começar a entender um pouco da história boa parte dos personagens que você tinha escolhido pra torcer já estará morto, mas você ainda vai torcer pra que a outra parte se dê bem, afinal as histórias deveriam ter finais felizes, certo? Certo? Certo?

Ned Stark, o homem mais honrado de Westeros. Onde ele estava com a cabeça? hehe

E vai enfrentar dificuldades também para saber quem é bom e quem é mau. Quem era mau e ficou bom, quem era bom e ficou mau. Só que bem lá pra frente talvez você entenda que na verdade é muito fácil: os bons estão mortos ou prontos pra morrer e os maus nunca morrem, por mais que você pragueje e amaldiçoe cada um deles a cada cena em que eles aparecem. Alguns deles te farão rir, mas na hora que eles matarem um personagem que você gosta, aí não vai ter graça.

Saudades Drogo

Você vai chamar a Sansa de burra, mas vai torcer a cada episódio pra alguém tirar essa garota de King's Landing. Nunca vai entender como as pessoas chegam tão rápido nos lugares pra fofocar, mas nunca chegam a tempo de salvar alguém. Vai xingar Ned Stark até ele perder a cabeça por não ter contado aos sete ventos que o Joffrey não é filho do rei. Vai ficar indecisa se deve gostar ou odiar Tyrion Lannister, até que quando percebe, já tá gostando do anão.
E a Arya, pelos sete infernos, a garota nunca vai conseguir voltar pra casa? Aparentemente, uma vez que uma pessoa deixa sua casa em Game of Thrones ela fica com síndrome de Oz: tem que passar por todos os perrengues do mundo, só que ao contrário da Dorothy, ninguém consegue voltar.
Você vai se perguntar por que o Stannis é tão chato, de todos os possíveis reis que Westeros poderia ter, por que ele ainda está vivo?
Você vai amar a Daenerys e vai torcer pra ela chegar logo nessa bagaça e arrasar todo mundo, mas será que um dia ela cruza o Mar Estreito?
Ah! Você também vai odiar todos os Lannister, mas de vez em quando vai esquecer e dar razão pra eles.
E assim sua vida vai seguindo, provavelmente sonhará com algum personagem da série ou vai estar conversando com alguém, mas na verdade estará pensando no que aconteceu no último episódio. Tudo bem, você pode conviver com isso e ainda vai se dizer viciado - com orgulho - na série, morte após morte. Você vai pensar "tudo bem, ele morreu, mas ainda há esperança, os Stark ainda vão salvar o dia". E aí você vai assistir o episódio 9 da terceira temporada - The Rains of Castamere, The Red Wedding, como quiser chamar - e não vai mais saber o que pensar, o que fazer, vai reclamar pra quem? Como volta atrás e desfaz todo o afeto que você tinha? Não dá!

Olha pra essa carinha. Ele merecia ser traído assim? Hein, hein, hein?
Catelyn Stark era super corajosa, mas why the hell não voltou pra casa?

Estou de luto pelos meus personagens. E não vou assistir a 4º temporada ainda. Não sei. Talvez. Melhor deixar pra ver só quando acabar. Sei lá.
Estou desolada. Robb, volta pra mim!!!!!!!!!
Lady Stark, minha heroína! Não vai!
Westeros é uma terra cruel.

Esse vídeo demonstra como me senti ao assistir ao Red Wedding:


Só tenho mais uma coisa a dizer: Dracarys nos inimigos. hausaushuhsuahsuhsuhsaus