quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Especial Halloween feat Dia Nacional do Livro - Livro de terror

Como eu não tô tendo tempo pra atualizar o blog, esse post é um 2 em 1. Minha homenagem ao Dia Nacional do Livro - hoje, 29 de outubro - e uma lembrança de que na sexta é Dia das Bruxas, vai que não dá tempo de botar outro post no ar até lá. Eu queria fazer vários especiais, mas os dias estão voando e eu trabalhando demais. Então aqui vamos nós.



Pra quem gosta de entrar no clima de terror, recomendo a leitura do livro Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe. O livro tem contos com um toque de morbidez e também de humor de vez em quando, como o da defunta que parece morta, mas nem tanto. o.O

Outro conto é o do gato preto, acho que é um clássico esse, pelo menos tive a impressão de já ter ouvido essa história em algum lugar quando li, mas até hoje não sei onde foi.

A cada história você consegue sentir o clima sombrio criado pelo autor e o mais legal é que todo o terror criado nas histórias parece estar na verdade na cabeça dos personagens e a gente fica na dúvida se de fato aconteceu de verdade ou o personagem ficou louco, esse recurso é muito usado em histórias de terror, né, Stephen King é mestre, mas arrisco dizer que ele aprendeu com o Poe, só não tenho certeza porque não googlei com afinco. hehe

Porém...

encontrei esse vídeo que é uma batalha de rap entre Stephen King e Edgar Allan Poe, mas está legendado em inglês pra quem entende, achei bem engraçado.


Então é isso, crianças. Feliz Dia das Bruxas pra vocês, caso a gente não se fale até lá e aproveitem bastante as festinhas e o clima, lá no trabalho tá tudo lindo, enfeitado com coisinhas assustadoras e teias de aranha falsa. Amo isso, gente.

Até.


Livro: Histórias Extraordinárias
Autor: Edgar Allan Poe
Editora: Companhia de Bolso

terça-feira, 14 de outubro de 2014

25 - número ímpar é mais legal - e reflexões sobre a vida


Antes um alerta: esse post pode conter níveis alarmantes de nonsense ou autoanálise porque meus pensamentos estão rolando desenfreados o dia todo.

Para quem acredita em inferno astral, eu acabei de sair do meu, hoje completo 25 primaveras, que eu prefiro que sejam invernos apenas pelo tempo mais ameno. Como eu não sou dessas que fica super animada, hoje tô aqui vivendo um dia normal - aniversário nunca mais será a mesma coisa tendo que trabalhar -, inclusive postando no blog, ó que responsável que eu sou.

Não me julguem por demonstrar uma alegria contida, sim, estou viva, sim, tenho uma vida legal, graças a Deus. Se tem um momento bom para refletir a vida - depois do Ano Novo - é aniversário. Você vê um ano a mais na contagem progressiva da vida e acaba exigindo mais de si, afinal o tempo é curto e o mundo é grande.

Se você pensou que eu ia falar das coisas materiais que ainda não tenho, não é isso não, hein. Aos poucos eu estou compreendendo que nessa vida nada é meu, é justamente o contrário disso que eu estou desejando agora: acredito que tenho um espírito encarnado para aprender e não posso deixar de me decepcionar com meu desempenho até agora. Admiro muito as pessoas que conseguem se colocar no lugar do outro e realmente estão fazendo a diferença no mundo, isso eu ainda não faço. Então o meu desejo na hora de apagar as minha velinhas esse ano - velinhas imaginárias porque não teve bolo, eu falei que trabalhei hoje? - é aprender.
Aprender a amar, a cuidar, a me abnegar, essa é a lição mais difícil, amiguinhos. Na teoria parece fácil, mas na hora do vamos ver é um tal de "eu estou sendo boba, estão se aproveitando da minha  boa vontade" e coisas idiotas assim. A verdade é essa e ouço a resposta toda vez que me pergunto porque nunca estou satisfeita: está faltando me doar, está faltando trabalhar pelos outros.

O mundo tá aí do jeito que está e eu não quero sair dele sem contribuir pra melhorar um pouquinho. Estou me comprometendo aos 25 anos a ser melhor, a ser mais luz, mais paz, mais conforto para os outros. E agradeço a quem tem sido isso tudo para mim, às vezes é tão fácil tocar a vida de uma pessoa que quem foi instrumento de amor nem percebeu o próprio ato, basta manter o coração aberto.

E aí está: eu ia reclamar, mas me senti tão grata pela minha vida nesse momento que enquanto escrevia acabei falando de outra coisa. Esperar uma vida sem problemas é esperar uma vida sem aprendizado, eu sei, então o melhor é tirar de cada problema uma lição, de cada situação um pensamento de amor e gratidão.

Bom, é isso, obrigada por terem lido até aqui e obrigada a quem me mandou mensagens sinceras de luz, amor e paz. 


"A questão mais aflitiva para o espírito no Além é a consciência do tempo perdido." - Chico Xavier


segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Mudei o tom do cabelo - Yellow 8.4 + 8.66

Eu quase nunca falo da cor do meu cabelo, apesar de saber que a maioria dos acessos de busca vem de termos como ruivo, ruiva, acobreado, etc por causa do post sobre o Encontro das Ruivas. Ontem eu mudei o tom do meu cabelo e resolvi contar pra vocês como e por que resolvi mudar.

Quando eu escolhi a minha tinta - 8.4 da Yellow - estava decidida a ficar naquele tom e fiquei durante um ano, só mudei um pouco porque passei a usar o mix 0.43 da Color Perfect misturado com a tinta. O problema é que esse tom da Yellow quando desbota puxa para o amarelo - ó que surpresa, o nome já denunciava - e eu fico com cara de quem pintou de loiro e não deu certo. Como tonalizantes são irritantemente temporários e não duram nem 2 lavagens no meu cabelo, já estava resolvida há um tempinho a mudar um pouco.

A ideia era fazer algo que ficasse parecido com esse cabelo aí da foto, mas eu também morria de medo de ficar vermelho demais. Comparando agora, o meu ficou muito menos avermelhado, mas isso é bom, se não eu ia acabar me arrependendo. Quem sabe numa próxima vez eu me arrisco ainda mais.



Primeiro mudei a ox de 30 para 20, mas não pegou direito no meu cabelo, ainda não entendi porquê. Então depois de pensar muito, eu corajosamente comprei um tubo de 8.66 da Yellow com a intenção de misturar um tiquinho na minha 8.4 de sempre. Ontem usei essa mistura no cabelo e vim mostrar o resultado.

Antes, desbotado
Depois, lindo. rs


























Gostei muito da cor que ficou, eu queria que escurecesse um pouco e ficasse um nadinha avermelhado e foi mais ou menos isso que consegui. Acredito que quando eu  lavar vai ficar ainda mais bonito e estou na expectativa pra ver como vai desbotar. Essa cor me lembrou uma de farmácia da Garnier que eu usei há séculos e também ficava assim, só que o desbotamento era insano, infelizmente não me lembro o tom, mas se eu visse a caixinha me lembraria.

A mistura que usei foi meio tubo de 8.4 + 1 cobrinha e mais um pouquinho de 8.66. Usei um frasco de ox 20 pra ter certeza que ia dar pra pintar tudo.
Tirei foto da mistura pra mostrar como ficou roxa, mas esqueci de passar pro computador. Ô preguiça, vai ficar sem. Era só pra comparar mesmo porque quando é a 8.4 sozinha a mistura fica um bege meio laranja e só quando oxida que fica roxa. Com essa mistura da 8.66 ficou vermelhão logo de cara e em seguida beeem roxo.

Eu percebi que as pontas ficaram mais claras porque antes já estava mais claro mesmo, mas nada desesperador. Eu não sou muito certinha, então não ligo pra essas coisas. E na sombra e dentro de casa ele está mais escuro que nas fotos, mas no sol está bem aceso. Aproveitei o embalo para cortar a franja que já estava chegando no olho. Desapeguei de vez e estou cada dia gostando mais da franja curtinha, acho que dessa vez até cortei mais curto.


Então é isso, não dá pra falar mais porque tenho que ver como vai desbotar minha misturinha, mas já tô gostando bastante e consegui escurecer sem tirar o tom vibrante. Recebi elogios hoje da cor, então acho que deu certo, né. Ah, também achei que ficou parecido com quando eu misturava a tinta com mix 0.43, só que um tico mais avermelhado, a vantagem - assim espero - é que a tinta desbota menos que o mix.

Daqui a uns dias eu atualizo o post pra dizer como desbotou, ok?

E aí, gostaram da cor? Quem também está na saga ruiva?