sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Série - Minhas impressões sobre Shadowhunters


Ano passado foi anunciado que seria feita uma série baseada nos livros da série Os Instrumentos Mortais da Cassandra Clare e eu fiquei super animada porque o filme não foi pra frente - é uma adaptação ruim, mas eu gostei e só li os livros por causa dele. Desde então começou a espera ansiosa pra estreia da série, que foi nomeada de Shadowhunters.

Estreou em janeiro, tem quatro episódios liberados - todos pela Netflix, mãe de todos - e eu já estou pronta pra dizer que ó... uma bosta. Mas vamos lá desenvolver isso.

A partir de agora o texto pode e terá spoiler. Teje avisado!

Os atores

Foi aí que a coisa começou a desandar. Quando olhei pra cara desse Dominic Sherwood pensei "nossa que cara de bunda, isso não é cara de Jace não". Mas deixei pra julgar o menino pela atuação. Quem leu os livros sabe que o Jace é um diabo loiro cheio de sarcasmo, inteligência e prepotência, porém muito charmoso. Aí me botam um corte tosco no boy de Style - antes tivessem deixado o cabelo como estava nesse vídeo, bem melhor - e o que cara não consegue nem se mexer direito, não tem nem um pouco da graça felina do Jace descrita nos livros. O sotaque é um charme, mas não tá dando.

Esse é o máximo de sarcasmo de que ele é capaz. Dom, melhore

A Clary (Kat Mcnamara), que já é uma personagem que eu tenho dificuldade às vezes de aguentar, ficou uma histérica com uns gritinhos agudos que eu não tô suportando mais. E não tem cena sem ela, imagina quanto que eu tô sofrendo. Se eu ouvir essa menina gritar "watch out!" de novo vou ter um treco. Duas cenas que ficaram marcadas como as piores pra mim foi no primeiro episódio quando ela desliza lentamente pelo chão quando um demônio - que parece mais um alien - golpeia ela e a outra, no quarto quando, em um pesadelo, ela se mexe na cama com a mesma desenvoltura de uma criança brincando de mímica.

Histérica

A Izzy (Emeraude Toubia), uma personagem que não teve as oportunidades na vida ainda, eu estava muito ansiosa pra ver como ia ficar porque eu admiro muito ela no livro e queria demais que ela fosse bem representada. A menina é boa, muito linda e sexy e olha, não é das piores. Eu tinha em mente uma Isabelle um pouco mais sagaz, mas do jeito que a coisa está, não posso reclamar muito.

Fierce
Vamos falar de quem interessa nesse show: Simon Lewis, o mundano/vampiro/caçador de sombras mais legal do mundo. O cara é sem dúvida o melhor personagem da série. Confesso que meu Simon - o que eu imaginava, não que ele seja meu, eu sei que ele não existe, mas se existisse seria tão booooommmm - não é parecido fisicamente com esse da série, mas o Alberto Rosende está fazendo um trabalho muito acima da média dos outros atores do elenco. E isso é um alívio. Só fico esperando desenrolar logo esse casal maravilhoso Simon + Izzy, aí tenho certeza que vai melhorar um 70% essa lenga-lenga. 'Em breve' vou fazer um post só sobre o Simon - do livro - porque eu acho que ele merece.

Um toque de humor e friendzone

Casal fofura
Alec (Matthew Daddario). Um deus esse menino, muito lindo, muito alto, muito sorriso torto arrasador de corações, fica lindo com o arco, agora beija logo o Magnus pelo amor de jesus. Não vou dizer que ele está ruim porque o Alec é meio fechadão mesmo, então está dentro do esperado. A cena dele com o Jace fazendo os paranaue parabatai deixou meu coraçãozinho palpitando forte, uma das poucas vezes que isso aconteceu em quatro eps.

De tanto levar frechada do teu olhar... não pera

Magnus Bane, o alto feiticeiro do Brooklin
Uma coisa precisa ser falada aqui. CADÊ OS GLITTER????
Não acho que esse Harry Shum Jr. faça jus a beleza exótica do Magnus da minha cabeça. Fazer o que...? Odiei o jeito como eles mudaram a história dele, demorou séculos pra eles se encontrarem e no final das contas deu no mesmo. Era pra todos se conhecerem na festinha do Bane logo no começo de tudo, mas eles inventaram de evadir o feiticeiro e depois trazer ele de volta por causa de um colar... oi? Mudanças a parte, as cenas com ele foram as melhores até agora. Já pode formar esse casal aí logo que eu não quero esperar mais, não.

Pelo menos tem lápis de olho

Não dá pra falar de todos porque o texto vai ficar gigante, mas em resumo, espero que eles ponham o Luke em alguma cena boa porque ele tem sido negligenciado. Os outros personagens são bem mais ou menos. Inventaram de introduzir a Camille logo de cara e a atriz... não tenho palavras. Cadê o refino, a cara blasé, as centenas de anos de experiência num corpinho de 25. A cena dessa molier falando ao telefone com um capanga imaginário foi horrorosa. O cara que faz o Hodge...tão o lindo o rosto tão feio as atuação. Sério, de quem foi essa ideia ridícula de fazer o cara sentir dor toda vez que fala do Ciclo???????? E ele nem sabe fingir que sente dor. 

Roteiro

Fraco. É isso. Cheio de diálogos sem sentido que não acrescentam nada na história e muito menos servem pra fazer Clace funcionar, os dois não tem química.Também é meio repetitivo, a Izzy falando que o Alec tem que "se soltar", a Clary sendo irritante, o Valentine sendo mais dr Frankstein do que líder do Ciclo. Todo episódio eles se propõem uma batalha, mas acaba não acontecendo nada de mais. Outra ideia besta foi dizer que o Magnus deu as memórias da Clary pra um demônio porque isso levou a uma sequência que muda uns dez conceitos que a gente leu no livro. Além de ter antecipado a hora que o grupo invoca o demônio que se alimenta de memórias - uma cena decisiva no livro e que só acontece bem no final -, a Clary entra no pentagrama (muito errado isso aí), mata um demônio maior (até parece, sem treinamento nenhum) e o Jace descobre que o Alec gosta dele assim, do nada.

Efeitos

A série é produzida pela ABC Family, que agora se chama Freeform. Eu andei conversando por aí e me falaram que realmente não era pra se esperar muito coisa, queria ter descoberto isso antes para não criar expectativas. No primeiro episódio o sentimento era de vergonha alheia e depois... Temos os demônios aliens, as Marcas vermelhas que eu não engoli, a cena - ai, só de lembrar dá uma gastura - da moto voadora, o tornado de demônio - deus, por quê??? - e algumas outras cositas que agora meu cérebro, por questões de autopreservação me fez esquecer.
E o Instituto! Não tô entendendo essa tecnologia e essa gente toda. Tudo bem botar uns figurantes e tal, mas 20 mil monitores funcionando com energia elétrica e tudo. Algo não faz sentido aí.
Já esperava que houvessem mudanças e estava aberta pra isso, até que nessa parte não me incomodei muito, claramente todo mundo leu todos os livros da tia Cassie e estão explorando bem o conteúdo que já foi publicado, inclusive da trilogia As Peças Infernais - que eu comecei a ler e merece resenha, assim como OIM, coisa que eu já tinha que ter feito. A questão mesmo é que o roteiro é bem fraquinho e o casal principal, Clary e Jace, não tá bom isso, troca.

Houve melhora claramente na qualidade desde o primeiro até agora. Mesmo assim eu estou é decepcionada no geral. Vamos ver se haverá uma segunda temporada quando acabar essa pra eles terem a oportunidade de melhorar bem, mas bem mais. Vou continuar assistindo porque o universo do Mundo das Sombras me empolga muito, quem sou eu pra dispensar mais um pouquinho dele?

Mais Malec que tá pouco:

Socorr


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale o que achou