domingo, 15 de janeiro de 2017

Times Like These e eu

Eu costumava dizer que minha música preferida da vida e do Foo Fighters era Everlong. Bom, era. Mas aí outro dia eu assistia Times Like These ao vivo em um show deles, como sempre, me emocionou muito e tive que disfarçar as lágrimas em pleno expediente. Comecei a pensar em quantos momentos da minha vida essa música esteve presente.
Tantos, tantos.
E pensei também em quanto uma letra, uma melodia marca instantes assim, que ficam gravados na sua memória pra sempre. E se eu pensar assim, com certeza Times Like These está muito marcado na minha vida.

Quando eu era adolescente e um antigo namorado me gravou um CD com um montão de músicas (muito antes de eu ter um computador em casa, ouvia tudo no micro system, vocês lembram o que é isso?), a que mais eu colocava no repeat era essa.

Quando meu namorado (o novo, o de agora e sempre) tocava violão pra mim no intervalo da escola, era essa a que fazia parte do repertório padrão, a que não podia faltar.

Quando eu estava (estou!) perdida na vida, é essa música que traduz o que eu sinto.

Quando a Alpha Capella (sim, eu sinto saudade até hoje dessa banda) ensaiava e ninguém lembrava a letra, um olhava pra cara do outro tentando desconfundir a primeira parte da segunda. Por algum motivo eles achavam que eu sabia, quando na verdade eu me embolo até hoje. Aí a gente ria e a música continuava assim mesmo.

Quando eu fui até São Paulo só pra ver o Foo Fighters ao vivo foi nessa música que eu achei que não ia ter mais força pra não desmaiar, eu estava realmente muito emocionada (e cansada). Eles vieram com uma energia incrível e compensaram dez anos de espera e eu tirei força disso pra ver o show até o final, me tremia toda e às vezes tinha que sentar no chão.

Quando de novo assisti os meninos ao vivo no Maracanã eu ria muito na hora que o Dave veio pro meio da plateia com sua guitarra. Eu pensava nas voltas que a vida dá porque não acreditava que ia ter tanta sorte assim duas vezes na vida. Dessa vez a música veio mais calma e eu pulei muito, me esgoelei, fiquei rouca e com dor nas pernas no dia seguinte. Foi incrível.

Todas essas e tantas outras lembranças que eu tenho com essa música fizeram meu coração se contrair e expandir e parar por um momentinho. Aquela sensação que a gente tem quando sabe que está vivendo um momento que nunca mais vai esquecer (nem sempre a gente sabe, mas quando sabe, sente essa coisa no coração e na boca do estômago) e agora se alguém perguntar, minha música preferida é Times Like These.

Dia 14 de janeiro foi aniversário do Dave Grohl, um dia depois de eu fazer toda essa reflexão na minha cabeça. Ter um carinho tão grande por alguém que a gente nem conhece é bem louco, mas se você pensa que esse cara esteve presente em quase tudo de importante que aconteceu na minha vida até hoje, é impossível não se importar. Eu realmente amo que ele tenha tanto talento e desejo que ele tenha toda felicidade do mundo porque mesmo que o Dave nunca mais escrevesse nada na vida, Times Like These está aí pra acompanhar muito momentos como esses.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale o que achou